Arquivo da categoria ‘Nem fodendo…’

Corria solta a notícia de que Seu Tertuliano andava de mal a pior. De fato, algo aconteceu, pois há tempos o velho não aparecia mais na Bodega do Nicanor para comprar seu farnel de rapadura, linguiça, cachaça, erva-mate e fumo em rolo. Alguns diziam que o índio tivera uma crise braba de reumatismo. Outros comentavam que ele foi picado por um jararaca. Um vizinho que havia comprado gado do Seu Tertuliano há pouco tempo falou ao vigário do povoado depois da missa dominical que o velho estava morrendo e que, inclusive, teria recusado atendimento médico.

O sol mal inicia sua aurora e uma Kombi velha já roda pela estrada de chão depois de uma noite de chuva fraca. São poucas curvas, mas muitas coxilhas para serem vencidas. O vento frio da madrugada de primavera entra pela janela do veículo e traz consigo um cheiro de capim molhado misturado ao de zorrilho. Desde a casa paroquial até o sítio de Seu Tertuliano são 18 quilômetros de um caminho vicinal que não possibilita rodar a mais do que 30 km/h. O condutor quase se arrepende da ideia de ir até o moribundo porque não se trata de um fiel frequentador das missas, mas sim de um homem rude, de péssimos hábitos e cuja fama é a de um pecador incorrigível, de um promíscuo que se jactanciou a vida inteira por praticar obscenidades.

O Padre enfim chega ao local indicado. Desce da Kombi e abre a porteira, que estava trancada com uma pequena tramela que quase não mantinha a pesada armação de madeira no lugar. Ele adentra com o veículo na propriedade, apeia e torna a fechar a porteira. O trilho de terra molhada leva até um ponto onde havia uma pequena área descampada, com uma capunga e um forno de barro, quase lindeiros ao casabre com mais de um século de construção. A estranha arquitetura remetia às casas castelhanas, com um toque colonial. O religioso sai do veículo e se depara com um cachorro grande e ignóbil a poucos metros dali, que se entretinha com restos de uma paleta de ovelha, mal dando atenção ao intruso.

A porta não estava trancada e o Padre entra sem bater. O ambiente dentro da tapera não era muito salubre e as janelas estavam fechadas. O odor predominante era de comida velha e fumaça, mas também era possível sentir cheiro de esterco. Os poucos móveis são toscos e antigos. Havia uma chaleira de ferro sobre um fogão à lenha, já sem cor, panelas sujas em uma mesa de pinho e moscas varejeiras voejando pelo ambiente. O soalho de madeira vai rangendo com os passos incertos rumo ao único cômodo de onde vinha luz e no qual repousava o proprietário do latifúndio.

Com os olhos semicerrados, Seu Tertuliano apenas murmura de forma sôfrega.

– Se for bandido pode levar tudo! Se for jornalista, não falo nada! Se for à mando do Nicanor, diga que pago os fiado com boi vivo!

– Calma, Seu Tertuliano. Sou o Padre da comunidade. Soube que está muito doente e vim dar-lhe o sacramento da unção dos enfermos!

Arre! Vai te embora, corvo agourento! Não quero saber de nenhum comedor de hóstia na minha casa! Xô! Vade retro!

Visivelmente irritado, mas pensando em todo o sacrifício de estar ali por uma grande causa, o Padre prossegue sua tentativa de cativar o moribundo.

– Sei que o senhor não foi um homem penitente, pouco temente à Deus e que não possui nenhuma das virtudes cristãs. Mas sei que Ele tem planos para o senhor “lá” em cima! Para isso, preciso encomendar sua alma ao Criador!

Sem compreender a intenção do Padre, Seu Tertuliano faz uma careta interrogativa, oportunizando ao Padre prosseguir.

– O senhor não gostaria de quitar sua dívida com Cristo e poder descansar em paz? Resolver todas as suas diferenças com o Pai Eterno? Conseguir sua passagem para o paraíso? Para isso, o senhor terá de confessar seus pecados. Todos!

– Tchê! Eu só não te mando à merda em respeito à batina que tu veste. E também porque eu não tô podendo nem com as calça…

– Ach, mein lieber gott!

A la fresca! O que Vossa Santidade quer? Pois le digo… eu desrespeitei bem mais do que dez mandamentos!

– Tenho certeza que não, Seu Tertuliano. Acredito que sua alma ainda pode ser resgatada das chamas do orco. Todos merecem salvação, inclusive o senhor!

Quer dizer, entonces, que se eu desembuchá tudo o que aprontei na vida eu posso me livrar do inferno, do dito cujo, do chifrudo?

– Creio piamente que Deus vai perdoá-lo e o senhor não saberá o que é o inferno. Mas desde que se arrependa dos pecados, ja wohl?

Os modos afáveis e o sotaque de alemão do Padre conquistaram a simpatia de Seu Tertuliano, que àquela altura dos acontecimentos, já não tinha forças e tampouco argumentos para rebatê-lo. A visita inusitada e o fato de ter a certeza de que estava definhando relegou ao gaúcho um sentimento de conformismo.

Pois bem, seu Padre! Vô começá pelo fim, já que ele tá perto. Faiz uns dez dia que eu comprei uma égua nova do vizinho, pras lida campeira, sabe como é… Fui dar um banho na bicha lá na sanga e me veio umas comichão… mas a potranca não estava muito acostumbrada e me coiceou duas veiz! A primera foi bem na boca do estômago! E a outra foi direto nas peia… Dói até de lembrar!

O Padre não estava acreditando no que ouvia. Como poderia um homem idoso, com idade para ser seu pai, sodomizar um pobre espécime equino? Mas Seu Tertuliano continuava o fatídico relato.

– O tareco de mijar tá sem serventia… não presta prá nada! Despues, comecei a ter umas queimação no bucho e não consegui mais comer carne. De uns dias pra cá, ando mijando sangue…

– E porque o senhor não foi até o médico ou para um hospital? Deve estar com uma hemorragia interna!

– Tô com 86 anos na paleta e nunca fui ver dotor! E me orgulho disso! Todas as moléstia que tive eu curei com mel e cachaça! Ah… e às veiz eu colocava umas macela no mate, quando aziava o fíguedo…

Seu Tertuliano não conseguiu concluir a frase e começou a tossir como um tuberculoso. O Padre tinha certeza que seu Tertuliano estava morrendo, mas não se sente nem um pouco à vontade para lhe conceder a unção dos enfermos. Como um sacerdote correto, não podia suprimir expedientes eclesiásticos necessários, sob pena de ter de responder por violação de regra canônica à Cúria Metropolitana, como sói acontecer em casos análogos.

– Mas o senhor não deveria fazer essas maldades com os animais! Isso não é normal! Desde quando o senhor pratica bestialismo?

– Bestia o quê?

– Bestialismo… sexo com animais!

– Ah… a barranqueada! Isso eu faço desde que me conheço por gente, lá pelos 10, 11 anos. Comecei com galinha. Despues, fui pras cabrita. Quando o membro já estava desenvolvido, passei a cobri as vaca. As égua foi só depois que fiquei viúvo. Ah… e ovelha eu só pego no inverno…

– O seu caso é muito grave, Seu Tertuliano. Não sei se sua alma será salva!

– Diacho! Mas tu me prometeu! Não vá me despachá para o capeta! Agora eu quero meu lugar no céu!

Um certo clima de impasse se estabelece no recinto por alguns minutos. Sentindo que sua saúde era periclitante, Seu Tertuliano começa a cofiar o bigodão gris e pede ao Padre para lhe alcançar o palheiro.

– O senhor não poderia fumar! Está muito mal de saúde!

– Justamente! Vou fumá porque não me resta outra côsa! Me risca um frósfro e acende logo esse pito, hôme!

Seu Tertuliano dá algumas baforadas e mal consegue segurar o palheiro. O Padre espera pela continuação do enredo nefasto que possivelmente sairá da boca daquele sujeito que não merece a salvação.

– Teve uma veiz, seu Padre, que eu fui à um baile só de perneta! Era uma judiaria ver aquele monte de gente pulando que nem saci, mas me diverti barbaridade! Teve um outro causo lá em Tupanciretã que…

O Padre já nem ouvia com atenção os delírios daquele velho que se esparramava pela cama encardida. Seu Tertuliano divagava sobre rinhas de galo, brigas de adaga e conquistas amorosas, enquanto o vigário passava os olhos pelo quarto em busca de alguma informação. De toda a bagunça que havia, se ateve a um velho guarda-roupas sem portas, uma mesinha com uma bacia d’água, um bacamarte antigo pendurado em um tira de couro na parede e um quadro com um retrato do time do Internacional campeão gaúcho de 1961. Ao se aproximar para ler os nomes dos jogadores, ouviu um berro.

– Padre! Me traz a canha que tá lá na cozinha! Me deu uma sêde…

– Além de fumar, o senhor ainda quer beber álcool? No seu estado de saúde, deveria apenas ingerir água! E ainda não são nem oito horas da manhã!

– Arre! Tomá água faz criar sapo na barriga! Vai lá e busca de uma veiz a caninha, hôme de Deus! Se eu vou morrê, que seja o meu último trago!

Com a garrafa sem rótulo nas mãos, o clérigo derrama dentro de um copo uma pequena quantidade daquele líquido levemente amarelado. Com um misto de censura e estímulo no olhar, Seu Tertuliano faz o visitante encher o copo. O velho peão bebe a cachaça dum sorvo só, fazendo barulho e estalando os beiços ao final.

– Côsa fina… de primera qualidade! Me vê mais um!

– O senhor é dono dessas terras?

– Por supuesto! Comprei depois que ganhei uns pila na política. Côsa que muita gente sabe por aí… o vigário não sabia?

– Não! Sim! Bem, era só para ter certeza! O senhor não teve esposa… filhos?

– Óia… eu fui amigado com uma mestiça, a Honorina, mas isso faiz mais de 50 ano. Ela morreu ainda nova, sabe? Teve bexiga. Despues eu não quis mais sabê de mulé me incomodando. Filho eu não tive. Pelo menos que eu sei…

– E o senhor não pegou varíola também? Não ficou doente na época?

– Se fiquei, eu não sei. Com eu já le disse, sempre me tratei com mel e cachaça…

Julgando que aquele troglodita tivera mais sorte do que juízo na vida, o Padre continua a perguntar.

– E irmãos, o senhor teve?

– Não conheci nenhum. Meus pais eram mui pobres e fui criado pelo meu padrinho. Apanhava de vara de guanxuma e de relho todo o dia. Eu não tive nenhum contato com irmão. Não sei nome e nem se tá vivo…

– Então o senhor é sozinho no mundo?

– É… não que seje uma côsa que me dê orgulho, mas pelo menos pude fazê o que bem quis… prá quê filho? Hay gente demás no mundo!

Para o Padre, essa declaração de Seu Tertuliano foi como luz na escuridão. A ausência de herdeiros era uma informação que não havia cogitado. Nisso, os pensamentos impuros do pároco são interrompidos por uma sucessão de peidos estrepitosos, empesteando o ambiente. A flatulência do moribundo torna o Padre pouco paciente para prosseguir na oitiva de mais histórias escabrosas. Aquilo estava sendo uma insana sessão de tortura.

– Êita, Padre! Acho que acabei me cagando com essa peidança! Me limpa? Ali no ropero tem uns pano de prato!

– Claro que não! Estou aqui para ouvir sua confissão e lhe dar o sacramento! Não quero saber de imundícies!

– Buenas… se o vigário não se importá com o fedor…

O Padre abriu a janela e pôs o nariz para fora. Seu Tertuliano continuou contando histórias e os problemas que sofreu quando era abigeatário, praticando crimes nos dois lados da fronteira. Divagou por alguns minutos e concluiu que pouco importava se fosse dançar com o capeta, porque já havia conhecido o inferno, neste mundo mesmo. Pior não seria.

– Eu tenho de le dizer uma côsa: até que matei pôca gente nessa vida, Padre! Mas sempre em legítima defesa, quando fui segurança de baile ali em Quaraí… tinha índio metido a valente que foi pra faca! E despues, os polícia me aliviava e o juiz da comarca era frequentador da bailanta… entonces, estava tudo em casa!

– Se o senhor já foi julgado pela justiça dos homens, eu não me importo. Daqui a pouco será Deus quem vai julgá-lo!

Aquela sentença proferida pelo Padre deixou Seu Tertuliano ressabiado. Uma nova crise de tosse acometeu o moribundo. Então, pediu ao vigário que alcançasse o penico que estava embaixo da cama. O sacerdote se agachou e pegou pela alça o objeto de metal branco, que estava com mijo estagnado há dias. Seu Tertuliano aproxima o rosto do utensílio e escarra algo purulento. O Padre sente uma ânsia de vômito, mas se controla e defenestra todo o conteúdo pela janela.

– Seu Tertuliano, vou respirar um pouco lá fora…

– Vá tomar uma fresca! Porque aqui drentro a côsa tá feia!

O dia estava bonito lá fora e o Padre caminhou pela propriedade. Percebeu atrás da casa a existência de uma horta abandonada, mas com algumas verduras e legumes vicejando. Viu que havia um curral muito grande, com boas pastagens e uma sanga ao final da descida da coxilha, rodeada por árvores nativas. O vigário gostou bastante daquelas paragens e decidiu que chegara a hora de fazer aquilo que havia planejado. Entrou no quarto e o cheiro parecia ainda pior do que quando chegara. Teve de acordar o veterano, que roncava e respirava com dificuldade.

– Pelo que vi, Seu Tertuliano, sua lista de pecados em vida é muito grande! Sua penitência, caso fosse possível, seria rezar durante dias e noites… mas acho que o senhor não terá tempo para isso!

– E isso é novidade pra mim? Já le disse antes que não fui santo!

– Não vejo como o senhor conseguir seu lugar no céu e obter o perdão divino, a menos que tenha um ato de extrema bondade ainda em vida!

– Ocha! Mas o que eu posso fazê agora, deitado nesse catre, todo cagado…

– Seu Tertuliano, me diga uma coisa! Quero que seja sincero e responda sem pestanejar, até porque tempo é um luxo que o senhor não dispõe…

– Pois pregunte, hôme…

– Já que o senhor não tem herdeiros, suas terras vão ficar com o Estado, com o governo…

– Mas bah! Isso eu não quero!

– Nesse caso, o senhor não deixaria as suas terras para a Igreja?

– Hein?!

– Sim… para que possamos levar adiante projetos em benefício da comunidade, dos carentes? Diga… o senhor concederia essa dádiva para garantir à sua alma o descanso eterno, livre dos agouros das trevas?

Seu Tertuliano demora a responder, mas acaba concordando. Disse que, no fim das contas, se o dinheiro que ganhou para comprar o sítio não foi muito lícito, deveria mesmo era deixar para a caridade. Mas Seu Tertuliano ainda queria fazer um pedido. Uma última exigência para consolidar aquele pacto.

– Padre… vi que mesmo sendo um hôme à serviço da Santa Madre Igreja, o amigo também é… hôme! Ou não é?

– Sim. Sou homem. Por que a pergunta?

– É que… como é que os padre se controla? Não fazem nada? E como fica quando o membro fica mais duro que aspa de touro brasino?

– Eu não posso responder sobre essas coisas, Seu Tertuliano. Os clérigos devotam sua vida à Cristo e renunciamos à todas as tentações carnais. Todas! Tudo é uma questão de fé e de autocontrole!

– Arre! Pois agora é a sua veiz de confessá alguma côsa, Padre! E é melhor que diga algo bem danado, porque senão vô deixá tudo pros milico!

A chantagem imposta pelo esgualepado e nauseabundo Seu Tertuliano não estava entre as expectativas criadas pelo Padre. Ora, o safado queria ouvir dele uma confissão. E das boas. Sentindo que não conseguiria enrolar o velho, o Padre começou a contar uma história.

– Bom… quando eu era adolescente, com 12 ou 13 anos de idade, eu fiz algumas coisas que guris faziam no interior. Depois das brincadeiras normais, nós íamos ao mato para fazer uma espécie de troca de experiências, sabe?

– Sei, sei! A piazada fazia a meia! Rá rá rá! O senhor também fez a meia, hein Padre? Rá rá rá!

– Sim… mas eu não gostava de ser passivo!

– Sei, sei!

– Depois disso, eu nunca mais quis saber de coisas mundanas! Fui para o seminário e me livrei desses fantasmas!

– Mas e lá no tal seminário, Padre… não acontecia côsas parecida?

– Que eu saiba não! Eu só fiquei sabendo que havia circulação de revistas masculinas e que a masturbação era permitida, desde que o indivíduo se penitenciasse!

– A la fresca! Pelo menos vi um Padre confessando pecado! E logo pra mim, o maior pecador da paróquia! Rá rá rá! Já posso morrê em paz!

– Sei que o senhor não contará isso a ninguém…

– E se eu não morrê, Padre? Vai me matar estrangulado? Rá rá rá!!

– Seu Tertuliano, não diga aleivosias! Ninguém acreditaria nisso! Sou um sacerdote respeitável! Tenho conduta ilibada e minha consciência tranquila!

– Buenas, Padre… a Igreja pode ficar com essas terra! Não vou levá nada comigo para o além… mas como vamo punhá no papel isso agora?

Aliviado, o Padre pede licença ao fanfarrão que estava indo à óbito e sai da tapera. Pega o celular e liga para o tabelião da Comarca. Depois de duas horas, aparece o notário com uma máquina de escrever Olivetti. O Padre vai recebê-lo e conversam por cinco minutos antes de entrar na casa. Depois de acertados, o tabelião pergunta ao Seu Tertuliano.

– É isso que o senhor deseja? Deixar suas terras… à Igreja?

– Sim! É isso que eu prometi! Pro governo eu não quero deixá nada!

O tabelião lavra uma escritura de doação em vida da propriedade de Seu Tertuliano em favor de uma irmã “solteirona” do Padre. Àquela hora, já sem forças, Seu Tertuliano já não falava muito, nem respirava direito. Recebeu mais um copo de canha na boca e deixou o palheiro cair no chão. Segurou a caneta com dificuldade e assinou o documento sem conseguir ler, até porque não era muito afeito às letras.

Cumprindo com o prometido, o Padre administrou o sétimo sacramento ao já quase inerte Seu Tertuliano, fazendo a reza litúrgica e ungindo as mãos do enfermo. O notário se despede do Padre e ambos saem para a rua.

Passados alguns minutos, Seu Tertuliano tem a sensação de que está caminhando por um trigal dourado rumo à um pôr do sol brilhante. Avista muitos cavalos pastando em colinas verdejantes e figueiras imensas. Nessa caminhada, encontra Honorina, sua antiga companheira, e muitos outros que não via há tempos. Ele tenta chorar, mas não consegue. Tudo era perfeito.

O Padre volta para o quarto e se certifica que Seu Tertuliano não está mais vivo. Cerra os olhos do defunto, faz o sinal da cruz e sai da tapera, respirando o ar puro do entardecer. Depois de ligar para o serviço funerário mais próximo, começa a planejar mentalmente: precisa colocar abaixo aquele casebre, instalar cercas, construir uma casa adequada… Afinal, vai utilizar o sítio para os próximos retiros espirituais com os velhos colegas de seminário.

Frank Zappa, gênio que era, uma vez respondeu, perguntado sobre o porquê permanecia fumando, se era radicalmente contra o uso de drogas, que para ele cigarros eram comida. As pessoas em São Francisco podiam ter teorias malucas sobre viverem para sempre, mas ele vivia sua vida fumando e bebendo aquela água preta que estava sempre em seu copo. Deu para entender o conceito? Não paro, e pronto… Respeito lugares públicos, gestantes, crianças, idosos e não-fumantes que manifestam vontade em não participar da minha auto-indulgência. No mais, me deixa fumar quieto. Sim, eu sei, faz mal, prejudica a saúde, aumenta a pressão, etc. Mas é TÃO bom… E, de mais a mais, na minha casa mando eu! Aquele abraço.

Só bebendo.

Publicado: 14/07/2008 por BigDog em Cultura nunca é demais!, Nem fodendo...
Tags:, ,

Não gosto muito de filmes de super-heróis, especialmente porque o roteiro é sempre uma variação sobre aquela manjada história do grande problema a ser resolvido, com um arquiinimigo que descobre a fraqueza do herói no meio do caminho e quase o tira completamente de ação, mas no final tudo dá certo, com todos vivendo felizes para sempre. Foi por isso que me interessei em assistir Hancock, um filme com uma proposta diferente: o herói em questão é um alcoólatra inveterado, que causas prejuízos incalculáveis para resolver as crises com criminosos, mais atrapalhando que ajudando. Por isso, é odiado por todos e perseguido pela justiça. Claro que no final iria rolar uma reabilitação, Hancock deixaria de ser um bebum gambá dependente químico – ou qualquer outro jargão "politicamente correto" que se aplique ao caso, não vou quebrar a cabeça com isso – mas este final açucarado certamente não retiraria a possibilidade de boas tiradas cômicas no decorrer do filme. Ao menos foi o que imaginei.

Ledo engano… O filme não consegue decolar nem para um lado, nem para o outro. Não chega a ser hilário, mas também não é uma história clássica de super-heróis, que certamente agradaria aos fãs do gênero. Quando você sai do cinema achando que poderia ter feito melhor, mesmo não sendo roteirista, mesmo sendo um camarada medianamente inteligente – ou, visto do outro ponto de vista, medianamente burro – é porque algo está definitivamente errado. Não sei se é influência da era politicamente correta em que vivemos, mas diversos ganchos são perdidos, possibilidades não são exploradas. O filme tinha tudo para ter tiradas de humor mais corrosivas, detonando situações incômodas do dia-a-dia moderno-corporativo-dinheirista, caprichando mais nas bobagens cometidas pelo protagonista sob o efeito do goró, enfim, não sendo tão policiado do ponto de vista da nova ordem moral reinante. Na verdade, a única piada realmente engraçada do filme é escatológica e gratuita, e faz o sujeito rir apenas para não perder o dinheiro do ingresso. Para não entregar o roteiro, direi apenas que é anatomicamente impossível de acontecer. Sobre a parte da reabilitação, então, não dá nem para falar. Totalmente dispensável.

Eu mereço!

Publicado: 05/07/2008 por BigDog em Nem fodendo...
Tags:,

Recebi a seguinte mensagem de e-mail:

Sabe tem cantores ou grupos de musicas que marcam nossa vida, e sabemos que tudo pode acontecer quando acreditamos, a nossa vontade trazer o A-ha para o Brasil novamente, como poderiamos trazer o Queem sem o Fredy Mercury o Roling Stones, os restantes dos beatlhes entre outros,
O A-ha marcou nossa vida e gostariamos bastante que eles voltassem e queriamos sua ajuada divulgando e prospectando sua volta para amigos, pois me separei da minha futura esposa em 1994 e voltei com meu amor em 2006, sempre amando e lembrando da maior banda de musica lenta.
Comecamos a namorar em 1991 fomos ao show deles e queremos de volta no Brasil, pois minha Mae adora eles, ajude-nos a traje-los novamente em Sao Paulo em [editado para evitar qualquer colaboração] se quizer se comunicar mande e-mail para [editado para evitar qualquer colaboração]
Beijos Fabio. Os acentos nao foram computados

A cada dia eu detesto mais o spam. Qual a chance de alguém conseguir alguma coisa desse modo, enviando uma mensagem mal escrita, feita basicamente de idéias soltas e desconexas, errando crassamente o nome de artistas – tá se fosse para escrever ‘Lynyrd Skynyrd’ eu até entenderia, mas BEATLES o sujeito não pode errar – enfim, enchendo caixas postais de lixo. E ainda mais para pedir ajuda para que seja realizado um show do A-Ha!!! Claro que não há como selecionar, no meio do pacotão de e-mails válidos que se adquire de algum picareta virtual – ops, desculpe, agregador de mala direta – para quem enviar a mensagem, mas um pouquinho de bom senso poderia ajudar. Algo do tipo “se você é fã do A-ha e gostaria de trazê-los de volta ao Brasil, clique no link abaixo e participe da campanha”, deixando para que o destinatário escolha se vai ou não saber as condições necessárias para que ocorra o evento proposto, e isentando os demais do sofrimento. Se o sujeito não souber nem criar e hospedar um site básico para arregimentar pessoas, ainda assim existem serviços on-line para esse tipo de tarefa. Eu, só de raiva, estou fazendo o seguinte:

A-Ha na Casa do Caralho!!!

Pronto, ajudei a mandar o A-Ha para algum lugar.

Eu não sou um camarada muito ligado em chimarrão, apesar de esta ser a bebida “oficial” aqui do Rincão da Grossura. Até, eventualmente, tomo um ou dois quando a situação se apresenta, uma roda de amigos ou um churrasco em família. Agora, no dia-a-dia, não tenho o hábito de acordar já de mate em punho, como fazem milhões de gaúchos. Acredito que atualmente exista um componente muito grande de modismo no tal chimarrão. Nos parques aos finais-de-semana o que mais se vê é gente que simplesmente passa a vida enfiado dentro de apartamento, seja por comodidade ou por medo da violência urbana, trabalhando em ritmo e com sistemas globais, desfilando com seu porta-chimarrão – que aqui, como tudo, tem outro nome, a “mateira” -, com direito à garrafa térmica, cuia e a erva em si. Para mim, não serve, acho uma coisa meio forçada, um falso apego à tradições que há muito tempo não representam o modo de vida do povo gaúcho. Ou alguém aí já andou a cavalo, marcou gado, assou churrasco em vala no chão? Duvido muito. Em todo o caso, este é um hábito comum, e arraigado na cultura de muitos de nós. Já vi gente, plena praia em Florianópolis, desfilando de cuia na mão, para mim o máximo da bobagem, uma vez que isso representa, exclusivamente, uma demonstração deslocada e desnecessária de gauchismo exacerbado. Quando vou à praia, a última coisa que eu quero é uma bebida quente e amarga. Prefiro, se o quesito for amargor, uma cervejinha bem gelada, para acompanhar petiscos à base de frutos do mar e coisas assim.

E eis que alguém do departamento de marketing da Dado Bier resolveu unir esses sentimentos: uma cerveja elaborada a partir da erva mate! Por mais estranho que possa parecer, o produto está sendo comercializado em vários supermercados e bares/restaurantes de Porto Alegre e região metropolitana. Dia desses, saboreando uma bela pizza de shitake com alho-poró da Sálvia (recomendadíssima!), cai na besteira de experimentar a tal iguaria. Besteira porque o produto é muito ruim, mesmo! Na verdade, não tem nem gosto de cerveja, nem de chimarrão, do qual só somos lembrados por uma sensação extremamente amarga após a ingestão da beberagem. Para quem me conhece não precisaria nem dizer, mas logicamente fiz o teste da meia-dúzia. E a cervejota restou amplamente reprovada! O pior, contudo, ainda estava por vir: um misto absurdo da moleza e sonolência típicas da cerveja, com uma certa sensação de vigília proporcionada pela cafeína presente na erva mate. Ou seja, a Dado Bier Ilex não se presta nem como uma boa cerveja, nem para satisfazer o gosto dos apreciadores do chimarrão.

Por isso, acredito que o pessoal do MTG – Movimento Tradicionalista Gaúcho deve estar muito aborrecido com este desperdício da preciosa erva mate gaúcha. Concordo com eles em gênero, número e grau, embora o que me preocupe seja o desperdício de lúpulo e cevada.

A partir de hoje, a rádio deste blog está fora do ar por tempo indeterminado. Devido ao alto custo de manutenção dos arquivos no box.net, e considerando a baixa utilização do serviço demonstrada nos relatórios de tráfego do sistema, acredito que não valha a pena manter em funcionamento um serviço tão caro, razão pela qual não renovarei a assinatura por mais um ano. Talvez tenha sido um erro inicial de avaliação, mas o fato é que a relação custo x benefício não está valendo a pena, sinceramente. A todos os que eventualmente sintonizavam com freqüência a rádio, meus sinceros pedidos de desculpas. Estou tentando bolar uma forma de colocar no ar um novo serviço, mais acessível e adequado às necessidades. Até lá, serão apenas palavras.

Triglicerídeos são uma forma de gordura que circula na corrente sanguínea e é armazenada no tecido adiposo do corpo. O nível alto de triglicerídeos está associado a um aumento no risco de doenças do coração, especialmente em conjunto com colesterol alto e outros fatores de risco. Diferentemente do que muitas pessoas pensam, não é só uma dieta com excesso de gordura que causa um aumento no nível de triglicerídeos. O excesso de carboidratos (especialmente açúcares) e calorias em geral fazem a concentração de triglicerídeos no corpo aumentar. (fonte: Corpo Perfeito)

E eis que depois de anos de muito abuso da comida farta, gordurosa e apetitosa, o corpo resolveu reclamar, indicando um nível de triglicerídeos muito acima do normal. E lá me fui pegar dieta com nutricionista para baixar o dito-cujo. O problema é que só dieta não adianta, o camarada precisa fazer atividades físicas para ajudar o organismo a se livrar do tal entupidor de veias. Não é mole abrir mão de pão branco – o Santo Graal de todo gordo -, massas e, ai meu Deus, pizza, mas é muito pior ser forçado a fazer exercício. Falando sério, eu simplesmente abomino ficar fazendo força à toa, sem produzir nada de útil. Se você caminhar durante uma hora em uma velocidade constante de 5 km/h, terá percorrido exatamente a distância de zero metros se considerado o ponto de referência e partida, sua casa. Mas, como também não quero partir para uma melhor tão rápido, lá fui eu caminhar nas férias. Consegui, incrivelmente, reduzir cerca de três quilos durante este período, o que é muito bom, se considerarmos que normalmente o camarada come muito mais e com mais prazer nas férias. Só que na volta não me adaptei muito à caminhada nas ruas da cidade, isso sem falar nos dias de chuva. Então, me inscrevi em uma academia para fazer os benditos exercícios todos os dias, mesmo odiando, mesmo me achando um idiota. A única saída é baixar audibooks e podcasts para o iPod e ouvir durante o exercício, o que pelo menos faz com que aquela maldita hora diária não seja uma total perda de tempo. O que mais me incomoda, na verdade, é ouvir falar em “treino”. O instrutor, um rapaz bem simpático, está sempre dizendo que eu estou fazendo treino de adaptação, que depois vai elaborar um treino definitivo com base nas minhas características e necessidades. Pelo amor de Deus, treino significa, intrinsecamente, a preparação para algo que se vai fazer depois. Eu não estou treinando para nada, só quero perder peso e baixar os triglicerídeos. Não, me recuso a treinar. Estou é me martirizando, isso sim. Agora, vou avisando: nem me venham com papo de parar de fumar! Só quero viver um pouco mais que a expectativa atual, não ser canonizado! Saudável, ma no troppo!!!