Toda a relatividade do crescimento

Publicado: 03/07/2008 por Wolfarth em Não há o que não haja!, Um muito sobre nada...

Acredito que a maior parte das pessoas pensa que, com o passar do tempo, o amadurecimento é capaz de dar maior capacidade de encarar e resolver os problemas, de vencer desafios e perceber o mundo da forma como ele se apresenta. Enfim, há um aperfeiçoamento do ser humano do ponto de vista emocional, social e intelectual.

Afora o envelhecimento físico, a pessoa adquire novos hábitos e, por via de regra, muda completamente seu perfil em questão de poucos anos. A maneira de encarar a vida é diferente, pois passa a pensar menos individualmente, planejando sua rotina em função de um número maior de pessoas (mulher, filhos, netos, etc) e tomando decisões mais abrangentes.

O crescimento pessoal do indivíduo é interessante. Todos os novos valores que ele passa a incorporar exige a eliminação de “pesos extras” que carrega consigo. E dentro desse pacote encontram-se condutas, hábitos e, até mesmo, pessoas. Sair da escola, entrar na universidade, trocar de emprego, brigar com a namorada, ter filho(s), tudo isso é suficiente para trazer mudanças substanciais na vida de uma pessoa. A sucessão de experiências boas e ruins gera toda uma carga que vai se acumulando e tornando o modus vivendi do camarada uma lenta e gradual evolução. Claro que existem exceções, muitas sendo classificadas como patologias crônicas. Mas a regra é essa.

Na infância, na adolescência, na idade adulta e na velhice, cada indivíduo tem determinados comportamentos que agradam e/ou desagradam algumas pessoas, não significando que alguém que não simpatizasse com o sujeito na infância vá continuar com o mesmo sentimento depois de 20 ou 30 anos. A menina que adorava o estilo maluco do guri na adolescência vai achá-lo um porre quando se encontrarem com 30 anos de idade. Tudo é relativo na questão do crescimento pessoal e isso é muito, muito interessante.

Sim, porque seria maçante demais para um ser ficar estagnado e não ter qualquer novidade para contar, não poder compartilhar experiências ou mesmo surpreender com novas atitudes. A questão não é tentar agradar à todos, mas poder ser uma pessoa interessante para muitos em diversos momentos da vida, pouco importando que alguns não aprovem ou não simpatizem contigo.

Apenas quero compartilhar essas convicções que tenho momentaneamente, concluindo que crescer é exteriorizar o pensamento a ponto de ser útil não só a si mesmo, mas pelo menos para mais uma pessoa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s