iPhone para quê?

Publicado: 29/07/2007 por BigDog em Não há o que não haja!, Nem fodendo...

Quem me conhece sabe que eu odeio telefone celular. Enxergo essa traquitana como uma forma de pedir ajuda em algum problema, e só. Dificilmente ligo o aparelho e, quando o faço, é por um curtíssimo período de tempo, apenas para resolver algum problema urgente. Por quê? Sei lá, tenho várias broncas com a telefonia móvel, e a primeira – e maior delas – é a falta de privacidade. O sujeito tem que poder ficar tranqüilamente no banheiro, no trânsito, almoçando, enfim, fazendo as coisas normais do dia-a-dia, sem a ameaça de tocar o celular. Invariavelmente, vejo pessoas comendo mais rápido, dirigindo com uma mão só, arriscando a vida, por causa de ligações que, sinceramente, não podem ser assim tão urgentes. Isso sem falar na invariável pergunta: “onde é que tu está?”. Tenho ganas de responder “pegando tua mãe”, mas pode dar confusão… Isso pode ser só uma coisa minha, mas acho que um aparelho como o iPhone não se justifica, porque é um iPod meia boca, uma câmara digital meia boca, um computador meia boca, enfim, um negócio meia boca. Coloquem no mercado um iPod com todos esses recursos de tela sensível ao toque, navegação com o deslizar dos dedos, com esse design matador, mas com um HD decente – e por decente eu quero dizer mais de 100 GB, já está na hora -, que serei o primeiro a comprar. Até porque, confirmando a previsão daquele site funesto, o meu iPod está começando a dar os doces. Agora, se é para não ter tanto espaço de armazenamento só porque vem com um telefone, uma câmara digital, um navegador de internet, cozinha, caseia e chuleia, tudo mal feito, esquece. Ou faz tudo à perfeição ou não serve para nada. Prefiro carregar câmera digital, tocador de mp3 e passar algumas horas do dia offline (o que não mata ninguém, convenhamos). E, de má vontate, levar o celular junto.

Anúncios
comentários
  1. Felipe Wolfarth disse:

    Realmente, há uma notória escravidão dos seres humanos à determinadas invenções. Primeiro foi a roda. Depois, surgiu a energia elétrica. Posteriormente, o telefone. Mais tarde, a televisão. E, hodiernamente, o computador, com o incremento da internet.
    Porra… a gente depende de tudo isso hoje em dia e ninguém se dá conta de como as pessoas eram felizes antigamente sem essas tralhas todas.
    Está certo. A roda e a energia elétrica são coisas boas e essenciais. Mas o resto está deturpado e só nos leva à sofreguidão de espírito.
    Nada mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s